sexta-feira, 29 de novembro de 2013

70 livros de metal encontrados em caverna na Jordânia

 Poderia ser este o maior achado, depois dos Manuscritos do Mar Morto? Setenta livros metal encontrados em caverna na Jordânia .








segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Trovas da Vida

Alegria, verdadeira
 Tem algo de inconsequente...
 Quando alcança o que deseja
 Pede coisa diferente.

 Quase sempre, a nossa prece

 Tem alago de inconsequente...
 Quando alcança o que deseja
 Pede coisa diferente.

 Onde as trevas se condensem,

 Deus logo manda varre-las;
 A própria noite é uma sombra
 Toda enfeitada de estrelas.

 Silêncio é a chave do bem;

 Por maior a caridade,
 Quem dá, fazendo perguntas,
 Ajuda pela metade.

 Para dizer que a justiça

 Prescinde de acusadores,
 Deus faz do estrume na terra
 Perfume e seiva nas flores.

Regueira Costa

Chico Xavier

Sentenças da Estrada / Trovas do Outro Mundo

Sinônimo luminoso 
 No dicionário da vida: 
 Liberdade verdadeira, 
 Obrigação bem cumprida. 

 Os fortes devem aos fracos 
 O que os bons devem aos maus: 
 Serviço claro e incessante 
 Que a todos livres do caos. 

 Em tudo quanto converses, 
 Toma o bem por tua escolta. 
 Toda palavra é um ser vivo 
 Por conta de quem a solta. 
  
 Qualquer pessoa que sofre, 
 Por mais cansada e infeliz, 
 Enquanto pode queixar-se 
 Não está mal como diz. 

 Quem não crê na obediência 
 E ao descontrole se aninha, 
 Olhe um comboio apressado 
 Quando sai fora da linha. 

Ulisses Bezerra
Chico Xavier

Trovas do Amor Imortal

Duas certezas na Terra, 
Nas lutas de qualquer nível: 
A vida – navegação. 
A morte – porto infalível. 
  
Por mais sábio ou mais profundo 
Que se articule um conceito, 
Na há conceito no mundo 
Que defina o amor perfeito.  
Amor que nunca se olvida 
Guarda sempre a mesma sorte: 
Ligação de vida em vida, 
Saudade de morte em morte.  
Morri... Deixei-te...Casaste... 
E nosso amor não tem fim... 
És rosa fora da haste, 
Mas rosa do meu jardim. 
Amor... Amor que eu conheço 
Pode ser obsessão, 
Mas persiste a qualquer preço, 
Nunca sai do coração. 

Lívio Barreto
Chico Xavier

Trovas, apenas...

Amor que existe na Terra, 
 E entendo agora daqui, 
 É uma alegria que chora 
 Num sofrimento que ri.  
◊  
 O que se ganha da vida 
 (Ensino de lá e cá) 
 Depende em qualquer momento 
 Daquilo que se lhe dá.  
◊  
 Nos problemas de melhora 
 Dos sentimentos humanos, 
 Doença faz mais num dia 
 Que estudo de muitos anos.  
◊ 
 O Céu conta com dois ralos 
 Para limpar o destino, 
 Instrução é o ralo grosso, 
 Sofrimento, o ralo fino. 
◊ 
 Se sofres dores crescentes, 
 Não esmoreças na estrada. 
 Quando chega a meia-noite, 
 É hora da madrugada. 

Lauro Pinheiro
Chico Xavier

Notas de Amor / Trovas do Outro Mundo

 Há muito ensaio de amor, 
 E amor só vive, a contento, 
 Depois de purificado 
 A fogo de sofrimento. 
◊ 
 Não zombes se vê caído 
 O coração de quem ama. 
 Brilhante não perde o preço 
 Abandonado na lama. 
◊  
 O amor é assim como um sol 
 De grandeza indefinida, 
 Que não dorme, nem descansa 
 No espaço de nossa vida. 
 ◊ 
 Amor é devotamento, 
 Nem sempre só bem-querer, 
 Bendito aquele que dá 
 Sem pensar em receber. 
◊ 
 Não há palavra que conte, 
 Por mais vibre, cante ou brade, 
 A glória do amor perfeito 
 Quando chega à eternidade. 


Sabino Batista
Francisco Cândido Xavier




Trovas do Outro Mundo



Não te dês ao pessimismo,
Por mais que a dor te requeira,
Se o mal te empurra no abismo,
Deus te segura na beira.

                            Felicidade provém
                            De uma verdade, só uma:
                            Dar tudo quanto se tem,
                            Sem pedir coisa nenhuma.

                                      Tua dádiva é mais bela,
                                      Conforme razão concisa,
                                      Se te colocas com ela
                                      No lugar de quem precisa.

                   Prazer comprado no mundo
                   Por alheio sofrimento
                   É como cheque sem fundo
                   Na hora do pagamento.
  
                                               Quem perde a fé no futuro
                                               Vive de sonhos plebeus...
                                               A própria flor no monturo
                                               Lembra um sorriso de Deus.

                                                                                                                      

                                                                                                         Soares Bulcão
Livro: “Trovas Do Outro Mundo” / Espíritos Diversos
 Psicografia: Francisco Cândido Xavier






quinta-feira, 14 de novembro de 2013

EXÉRCITO DO CRISTO



Irmãos nos serviços redentores com o Cristo Jesus, 
Encubramo-nos com o manto do anonimato e da simplicidade nas ações fraternas de cada hora recordando que, invariavelmente, a Causa de Regeneração da Humanidade repousa sob a direção do Cristo, com a nossa modestíssima cooperação.
Cumpre-nos alimpar as leiras e os leitos de nossas operações dos detritos da vaidade e do personalismo; do ponto de vista e da presunção, para que a Inspiração Divina que mana das alturas infinitas; caudalosa, fecunda, cristalina, referte o alfobre de nossas pequeninas ações, de modo a dessedentar todas as vidas. 

Os maiores trabalhos de doação espiritual repousam em atitudes dóceis, que se dobram para que a tarefa redentora se alteie e se sustente firme, segura, inatingível! 

As bases que se vergam humildemente sois vós meus irmãos, somos todos nós, oferecendo alicerces para que os pilares superiores se finquem edificando a Nova Morada para os Espíritos Redimidos; essa construção é somente possível pelas mãos do Grande Arquiteto do Amor e da Paz, Jesus Cristo, em confiança à correspondência daquilo que cada um assumiu como elo fraterno, que se une a outros elos... A estruturação do novo piso psíquico do Orbe Terreno; vigoroso, argamassado pelas Leis de Justiça, Amor e Caridade, e pelos princípios sublimes do Evangelho, também compete a cada um de nós! 

Ninguém constrói sozinho um mundo novo; ninguém edifica sozinho, nem em si próprio ou em auxílio aos semelhantes, renovações para o Progresso senão no harmonioso conjunto que irmana a todos nos ideais do Cristo. Necessitamos uns dos outros e nesse mister ninguém e maior, dado que somente de mãos e corações generosamente vinculados, em Humanidade, transformaremos a Terra em um planeta de Paz. Portanto compete-nos atender a Jesus na urgência que os eventos sociais transformadores e espirituais nos apontam e solicitam:

Amando sem apego,

Doando sem expectativa,
Servindo sem exigências!

E na condição de viventes nos dois planos da existência compreendendo;
Que ante o desencarne a saudade é natural, contudo, evitemos o saudosismo paralisador.
Que a gratidão e o reconhecimento são sagradas virtudes, entretanto, alijemos o culto contínuo e desnecessário às personas.
Que a alegria pura é estímulo, nada obstante, impeçamos o entusiasmo aflitivo ou desequilibrante. 
Que o cuidado é importante, porém, desoneremo-nos do preciosismo aniquilador.
Que, sobretudo, o labor no bem dinamize-se indissociável das recomendações e exemplos de Jesus Cristo. 

Marchemos exército do Alto! Avancemos rumo a uma nova aurora! Resolutos, seguros, íntegros, esclarecidos no conhecimento libertador, entretanto, humildes, fraternos, bondosos e mansos, à recordação do que preceituou Jesus; “somente os mansos1 , os pacíficos2 , herdarão a Terra.”
Permaneçamos unidos aos deveres que nos competem lembrando sempre: as desinteligências, os pontos de vistas, as discordâncias e conflitos; as vaidades e apegos, em todos os seguimentos das ações regenerativas para o Espírito Eterno, serão sucessivamente eclipsados por um único gesto espontâneo de puro amor e de generosidade.
Votos de muita paz nos deveres com Jesus, hoje e sempre!

Nathanael
Helaine Coutinho Sabbadini
Belo Horizonte, MG, em 10 de novembro, de 2013

1Bem-aventurados os mansos, porque eles possuirão a Terra. Jesus, Mateus, 5:4
2Bem-aventurados os pacíficos; porque eles serão chamados filhos de Deus. Jesus, Mateus 5:9

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Pequeno Conto


Exultavas, enquanto te aprontavas para a longa jornada que te reconduziria à nova experiência reencarnatória! Tecias planos de ventura; conjugavas recursos e definias metas...

Assessorei-te na arrumação da sagrada bagagem, que se constituía de sublimes esperanças e severos esforços!

Suplicaste ao Pai Misericordioso, na concessão dos dons psíquicos, o ensejo de resgatar erros clamorosos, dos quais já desejavas te liberar e, por intermédio da experiência nova, reedificarias os teus sonhos, enquanto quitarias compromissos gravíssimos ante as Leis Eternas.

A potencialidade medianímica tornar-se-ia instrumental positivo e um bem precioso, à benefício do trabalho ao qual te propunhas, salvaguardando-te o êxito e a probabilidade de redenção... As refregas depuradoras facultar-te-iam reencontrar, no futuro, os amados de tua alma, dos quais, desde há muito te havias apartado.

Acompanhei-te os preliminares ensaios de retorno...

Alberguei, em meus devotados abraços, a criancinha frágil na qual gradualmente te tornavas, lançando-te cada vez mais em ávidas aspirações à existência nova...
Conduzi-te ao ninho doméstico que te resguardou amorosamente oferecendo-te todos os recursos para a realização de teus anelos espirituais...

Em vulto diáfano que não identificavas verti lágrimas de júbilo, em noites inumeráveis, orando ao pé de teu pequenino berço, augurando a Deus amparo para o teu futuro, a favor do sucesso necessário...

Persegui, invisível, os teus passos de criança!

Acompanhei o teu desenvolvimento na juventude, sem que me percebesses a presença espiritual!

Chegamos juntos à mocidade, quando se desabrocharam as aptidões mediúnicas que trazias latentes; precioso penhor do Altíssimo que te garantiria na tarefa mediúnica com Jesus a realização de tuas mais sagradas expectativas...

Temi, desassossegada, porquanto tardavas na busca pelos sagrados rumos do aprendizado e do labor espiritual. Nada obstante, aguardei-te!

Padeci, mais tarde, dolorosamente ao perceber que te desviavas da rota adrede estabelecida, por decisão de teu livre-arbítrio, entregando o recurso divino que trazias aos ébrios e viciosos, encarnados e desencarnados, que contigo locupletavam nas buscas equivocadas; aos apaixonados e criminosos, que te seguiam, vis e ignotos...

Saciavas-te com eles e, mais e mais, abandonavas-me a companhia amiga e desvelada...

Clamei por teu despertamento, inumeráveis vezes, entretanto não me emprestaste os ouvidos...

Volvi ao Criador em reiteradas súplicas a teu favor e em resposta obtive a certeza de que tu chorarias amargamente o arrependimento, quando desperto dos erros e enganos, ante a falência nos ideais superiores.

Parti e deixei-te entregue à própria sorte, já que me repeliste de tua presença, relegaste o meu amor e substituíste os meus cuidados por estranhas companhias.

Passaram céleres as décadas...

Até que um dia regressaste da viagem reencarnatória à vida verdadeira!

Hoje, não mais me podes ver, pois dormes o sono da loucura em pântanos sombrios onde permanecerás até que, enfim, despertes.

A vida, eterno convite a amar e progredir, convida-me outra vez a peregrinar na odisséia terrena e preparo-me para partir!

Noticiam-me os benévolos diretores na Vida Maior, que no projeto de minhas lutas ascensionais na esfera planetária, em futuro não distante, receberei em meus braços um filhinho... O tutelado de meu coração, desde o berço portará síndromes diversas, incapacidades várias para a vida comum e por toda a existência física, assim permanecerá...

Serás tu, meu filho, de volta ao meu amplexo maternal! Abrigar-te-ei, ainda uma vez, sob os meus cuidados agora no mesmo plano!

Retirado do tremedal sombrio tu me sucederás na incursão terrena... As condições infligidas pelas Leis Divinas, entretanto, serão bem diversas, visto que em lugar de ser médium com Jesus, incauto e infeliz, deliberaste renascer enfermo!

Maria de Jesus
Helaine Coutinho Sabbadini
Muriaé, MG, set. 2001






"Porque, assim como o corpo é um, e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, são um só corpo, assim é Cristo também."



Hostes de espíritos, embaixadores do Cristo e lidadores na instauração da Mensagem do Consolador na Terra têm buscado, em suas latitudes, os lídimos representantes do Evangelho. Individualidades reencarnadas que se tornem cooperadoras valiosas dentre os que transmigram nas paragens experimentais, ainda compostas de grandes mesclas de valores.

Jamais há improvisação na Obra Divina e na Programática Superior; magotes de almas volvem aos terrenos afervoradas de objetivos novos, entretanto, esquecem-se rapidamente dos sagrados compromissos assumidos antes da imersão na experiência planetária.

Quem são esses servidores? ― Qualquer espírito consciente de sua natureza imortal; desperto pela Doutrina Renovadora, e que já tenha consolidado as competentes ações nos elevados moldes da Boa Nova arquivadas nos escaninhos do Conhecimento! Estes são conclamados, depois de despertos, a contribuir junto aos ceifeiros missionários, na disseminação dos sublimes conteúdos exalados pelo Verbo Divino. Evidentemente que todo labor em suas fidedignas bases cristãs, de modo a ser eficaz, estornará de dentro para fora, assim o trabalhador há de ser o primeiro a implantar salutares modificações em si mesmo.

O sagrado cometimento na Faina Regenerativa encetada na esfera física em nome de Cristo Jesus requer sempre mais cooperadores animosos; mãos generosas, corações bondosos, ações fraternas e competência pelo conhecimento – o conjunto fará a diferença, haja vista que tão magistral tarefa não repousa nos dons individuais! “Há a diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos!”[1]O momento planetário requer, mais do que nunca, mãos animosas no labor de restauração pelos bens do Evangelho.

Os corações benevolentes do Mais Alto estão a solicitar àqueles que se dispõem sinceramente a cotizar amorosa e fraternalmente o serviço no Bem, que se apresentem humildemente, laborando simultaneamente as devidas transformações íntimas. São estes espíritos destemidos, em reerguimento pessoal, na azáfama de amor do Mestre!
As enormes tribulações promulgadas no novel século são inegáveis, restaurando incisivamente caracteres, no Educandário Disciplinador da vida, no entanto, a senda de ascensão é livre para ser trilhada por tantos quantos se dispõem a maiores investimentos!
Companheiro, não olvides a exortação messiânica de dois mil anos passados, ainda hoje conclamando, qual voz suave a pacificadora – “Eu sou a luz do mundo; quem me segue, de modo algum andará em trevas, mas terá a luz da vida.”[2]

 Se os teus pés estacionaram no desalento, feridos pelos acúleos dos erros; se o teu corpo tomba no desânimo acicatado por dores superlativas persiste um pouco mais, após os passos do Mestre, no carreiro do próprio ascendimento espiritual, com decisão firme, conduzido pela fulgurança do Cristo!

Eleja-te colaborador de Jesus Cristo engrossando as fileiras da Falange do Consolador, dispondo-te a caminhar sob as claridades do Mestre, palmilhando as Suas passadas amorosas e diligentes.

A maravilhosa ensancha de reerguimento espiritual te está sendo oferecida por meio da reencarnação! Chancelar-te-ás a servidor e missionário do Amor em nome de Jesus ― se o desejares! Somente a tua própria individualidade imperecível resguarda os necessários atributos, de modo a coroar de brilho superior o teu santificante labor.

Nathanael

Helaine Coutinho Sabbadini
Livro: Cartilha Evangélica 






[1]Ora, há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo. E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo. E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos. Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um, para o que for útil.Porque a um pelo Espírito é dada a palavra da sabedoria; e a outro, pelo mesmo Espírito, a palavra da ciência;E a outro, pelo mesmo Espírito, a fé; e a outro, pelo mesmo Espírito, os dons de curar;E a outro a operação de maravilhas; e a outro a profecia; e a outro o dom de discernir os espíritos; e a outro a variedade de línguas; e a outro a interpretação das línguas.Mas um só e o mesmo Espírito opera todas estas coisas, repartindo particularmente a cada um como quer.Porque, assim como o corpo é um, e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, são um só corpo, assim é Cristo também.” Paulo, I Coríntios, 12: 4 a 12


[2] Jesus – João, 8: 12