Vaidade

"Quando cheguei, sem luz, ao fim do dia
E penetrei, gemendo, a noite escura,
Encontrei, quase ao pé da sepultura,
Triste bruxa de máscara sombria.

“Que fazes, desdita e negra harpia?” _
Indaguei a tremer, de alma insegura.
E respondeu a estranha criatura:
_ “Teço angústia e pavor na cova fria...”

“E quem és?” _ Insisti. Mas, nesse instante,
A megera agarrou-me, cambaleante,
E bradou: _ “Ai dos míseros que venço”!
“Sou a vaidade humana desvairada...”

E, desferindo horrenda gargalhada,
Rolou comigo ao precipício imenso.


Anthero de Quental


Livro Cartas do Coração.
Psicografia de Francisco Cândido Xavier.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DEGUSTAÇAO - LIVRO FLORES DO CEDRON - EDITORA LACHÂTRE / PRELO

Elizabetta de la Paz - lançamento pela Editora Lachâtre

Obediência & Resignação, Ética & Moral